Vôlei de praia

De olho no Rio-2016, ex-atleta Rejane foca no futuro e abriga jovens atletas em casa

Com apoio de patrocínio, técnica forma jogadoras de todo o Brasil nas areias de Copacabana
28/03/2012 09:30 - Atualizado em 28/03/2012 11:42
Por Bernardo Feital
RIO

Rejane observa o treino - Bernardo Feital/AHE!Com o foco no futuro e os pés fincados no presente, a ex-jogadora Rejane Cannes se vira de ponta a cabeça para formar novas jogadoras de vôlei de praia. Junto com seu parceiro de vida, o marido e auxiliar técnico Cláudio Motta, ela trouxe garotas de todo o Brasil para treinar nas areias de Copacabana, abriga algumas delas na própria casa e aposta no sucesso de suas pupilas em 2016.

- São dez meninas que treinam aqui comigo, além da escolinha. Temos a sorte de contar com um patrocínio, o que nos possibilita viajar e conseguir participar dos torneios. Temos aqui meninas que podem se tornar o futuro do nosso país - disse Rejane, que conta com a ajuda da empresa Stam.

Da trupe que faz parte do time de Rejane, apenas três são do estado do Rio de Janeiro. As outras sete vieram dos mais diversos estados: Mato Grosso do Sul, Bahia, Ceará, Amapá, Pará, Paraíba e Brasília.

- Na primeira oportunidade que tive, vim para cá. Eles me encontraram na Bahia e viram potencial em mim. Aqui treinamos e também agimos como família. Vivo com eles e os tenho como se fosse um pai, mãe e irmãs aqui no Rio - disse Fabrine Santos, uma das três jovens atletas que moram com a técnica. 

O treinamento é todo baseado no planejamento de uma comissão técnica. Composta por seis integrantes, como os naturais auxiliares e preparadores físicos, o grupo possui até uma neurolinguista, que trabalha a parte psicológica das jovens atletas. Elas participam de competições sub-19, sub-21 e sub-23.

- Temos todas as bases para fazer um trabalho legal. Isso é o que queremos. Somos pai, mãe, família aqui. Cada um se cerca e tenta ajudar de uma maneira. Conseguimos este patrocínio, que é fundamental. Mas a base tem de crescer mais, como um todo. Não adianta pensar nisso só perto de 2016 - complementou Cláudio Motta.


Time Rajane treinando na praia - Bernardo Feital/AHE!


Resultados aparecem

Apesar de não se preocupar com a formação de dupla na base, a rede de Rejane e Cláudio já produziu alguns vencedores. Em 2008, Amanda e Natasha foram campeãs brasileiras. Neste ano, Haissa Rodrigues faturou a primeira etapa da recém criada competição do sub-23, nas areias de João Pessoa, na Paraíba. Ela fez parceria com Júlia Schmidt, sobrinha do Oscar, ídolo do basquete.

- Sou de Mato Grosso do Sul, passei pelo Paraná e vim pro Rio treinar. Só que às vésperas da minha estreia, acabaram com a parceria e me disseram coisas que não deveriam ser ditas. Cheguei aqui e começei a bater uma bolinha e continuo melhorando sempre - completou Haissa.


compartilhar no