Papo de borda

Cesar Cielo a 50m de ser o maior nadador da história na prova mais curta da natação

Em Londres, brasileiro terá a chance de unificar dois títulos mundiais com o bicampeonato olímpico
27/01/2012 15:31 - Atualizado em 27/01/2012 15:32
Por João Lidington*
RIO

Faltam seis meses para começarem os Jogos de Londres, e a cada dia, aumenta a ansiedade dos atletas que lá estarão, a partir do dia 27 de julho. Para Cesar Cielo, essa sensação pré-Olimpíadas deve ser ainda mais intensa. Afinal, o nadador está a 50m de se consagrar como o maior vencedor de velocidade da história da natação. É justamente a distância entre o bloco de largada e a placa de chegada que separa “Cesão” do pódio dos pódios.

Quem diz isso não é apenas um torcedor brasileiro ávido por mais uma medalha dourada dele na modalidade, mas sim as estatísticas. Cielo entrará no Centro Aquático londrino ostentando o bicampeonato mundial nos 50m livre (em Roma-2009 e Xangai 2011) e o título olímpico de Pequim 2008. Caso conquiste o ouro nas próximas Olimpíadas, o nadador “unificará” quatro conquistas que nenhum homem conseguiu realizar consecutivamente na prova mais curta da natação.

Cielo tentará o bicampeonato olímpico nos 50m livre dos Jogos de Londres - Satiro Sodré/CBDAOs 50m livre foram inseridos no programa do Mundial de Esportes Aquáticos a partir de 1986, na edição de Madri, na Espanha. Na ocasião, o americano Tom Jager venceu a prova em 22s49, mas não conseguiu manter a sequência nos Jogos de Seul 88, apesar de ter ganhado o Mundial seguinte, em Perth 91, na Austrália.

Quem chegou perto de emplacar a série “quatro estrelas” foi Alexander Popov. O fenômeno russo começou a construir sua trajetória de feitos nos 50m livre nas Olimpíadas de Barcelona, em 1992. Dois anos depois, Popov subiu ao lugar mais alto do pódio no Mundial de Roma. O terceiro ouro consecutivo veio nos Jogos de Atlanta 96, porém a quarta medalha seguida escapou por 14 centésimos. Alexander era o favorito ao título no Mundial de 1998, em Perth, mas, após bater na borda com a marca de 22s43, viu o americano Bill Pilczuk (22s29) lhe superar e interromper o reinado na prova.

Indubitavelmente, Cesar Cielo já faz parte da história da natação internacional e nem mesmo um insucesso em 2012 apagará o que ele fez pelo Brasil no esporte. No entanto, o ouro em Londres o projetará para um nível jamais alcançado por qualquer nadador do mundo. Que venham os Jogos e junto com eles a consagração do maior ídolo brasileiro das piscinas.

*João Lidington é repórter do Portal AHE! 


compartilhar no