Tiro com arco

Retrospectiva 2011: Com ano sem expressão, Tiro com Arco aposta em promessa e estrutura para evoluir

Modalidade conta com dois centros de treinamento para evoluir e ganhar destaque
30/12/2011 20:00 - Atualizado em 31/12/2011 00:11
Por AHE!
RIO

Daniel Xavier foi o melhor do Pan-Americano - COBComissão técnica com experiência internacional e dois centros de treinamento ainda não renderam frutos para o tiro com arco. A modalidade amargou um ano pobre de medalhas e não teve destaque no cenário internacional. Na competição mais importante do ano, no Pan-Americano de Guadalajara, os brasileiros voltaram com as mãos abanando.

No México, o Brasil desembarcou com uma equipe de seis atletas (Fábio Emílio, Daniel Xavier, Gustavo Trainini, Michelle Acquesta, Sarah Nikitin e Fátima Rocha) e os arqueiros não conseguiram vida longa no torneio. Eles competiram em quatro categorias, individual masculino e feminino, além da equipe masculina e feminina.

Leia mais: Participação no Pan acaba sem medalhas para tiro com arco 


O melhor resultado ficou por conta de Daniel Xavier. O brasileiro chegou até as quartas de final, mas perdeu para o mexicano José Serrano, que acabou ficando em quarto.

Contudo, a ambição paira para os próximos anos. O motivo é o investimento feito para a modalidade. O Brasil possui atualmente dois centros de treinamentos: Maricá, para formação de novos atletas, e Campinas, para os arqueiros de alto rendimento.


Ana Marcelle faturou o Prêmio Brasil - Divulgação/CBTArcoNa comissão técnica, o coreano Lim Heeik é o atual treinador da seleção. E novos atletas vêm ganhando bagagem e podem despontar em 2012. Ana Marcelle, de apenas 17 anos, quebrou vários recordes na categoria cadete neste ano.

Tão surpreendente a jovem foi nas categorias que participou e já ganhou a consideração da Comitê Brasileiro. A atleta foi reconhecida com o Prêmio Brasil Olímpico e pode ser um dos destaques no próximo ano.

 

compartilhar no