Basquete

Retrospectiva 2011: Vaga olímpica após 16 anos e consolidação do NBB marcaram o basquete brasileiro

Decepção nos Jogos Pan-Americanos e demissão de Ênio Vecchi na seleção feminina também foram destaques
30/12/2011 08:10 - Atualizado em 30/12/2011 08:10
Por Pedro Lima
RIO

Entre conquistas e decepções, o basquete brasileiro viveu o ano mais importante de sua história recente. Pela primeira vez desde 96, a seleção masculina garantiu vaga nos Jogos Olímpicos e fará companhia à feminina, que também confirmou participação em Londres 2012. O treinador Rúben Magnano, Marcelinho Huertas, Guilherme Giovannini, Érika e Damiris foram os que mais brilharam na temporada.

 

Ao lado do técnico argentino, o jogador do Barcelona foi o grande nome do Brasil na conquista da vaga olímpica, garantida com a segunda colocação da Copa América de Mar del Plata, em setembro. Na ocasião, Huertas foi eleito o principal armador da competição e recentemente foi escolhido pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) como o melhor jogador de basquete do país em 2011.

 

- A temporada foi magnífica, pois conseguimos a tão almejada vaga em Londres. Além disso, fechar o ano recebendo um prêmio grandioso no contexto do esporte brasileiro me deixa muito satisfeito. Tenho que agradecer aos meus companheiros de seleção brasileira e também ao corpo técnico, pois sem eles isso não seria possível – comentou o atleta.

 

Também em setembro, a equipe feminina fez bonito no Pré-Olímpico, disputado em Neiva, na Colômbia. Liderada pela pivô Erika, eleita em 2011 a melhor do mundo na posição, a seleção brasileira venceu todos os jogos com facilidade e chegou ao Pan-Americano de Guadalajara com amplo favoritismo.

 

No entanto, menos de um mês após a glória, vieram as maiores decepções. No Pan, nada de medalha para os homens e um bronze melancólico para as mulheres. A frustração pela derrota na semifinal para Porto Rico foi tão marcante que o treinador Ênio Vecchi foi demitido do cargo e deu lugar a Luiz Cláudio Tarallo.

 

O novo técnico da equipe feminina, inclusive, teve mais o que comemorar em 2011. Além da grande chance da carreira, Tarallo conquistou em julho um bronze inédito com a seleção sub-19 no Mundial da categoria. De quebra, o Brasil viu surgir a pivô Damiris, eleita a MVP (melhor jogadora) da competição no Chile.

 

Em território nacional, 2011 marcou o bicampeonato do Brasília no NBB. No fim de maio a equipe do Distrito Federal fechou a série final contra o Franca em 3 a 1 e levantou o caneco. Guilherme Giovannoni fez uma grande temporada e foi o destaque da conquista.

 

No segundo semestre, Leandrinho se tornou o centro das atenções. Durante o locaute da NBA, o jogador acertou sua volta para o Brasil e vestiu a camisa do Flamengo por aproximadamente três meses. Com a camisa rubro-negra, o jogador conquistou o hepta do Campeonato Carioca e a classificação para o hexagonal final da Liga Sul-Americana, antes de retornar ao Toronto Raptors, do Canadá.

 

Se 2011 foi tão importante para o basquete brasileiro, 2012 promete muito mais. Após longa espera, iremos desfrutar e assistir nossas duas seleções entre as melhores do mundo. Os amantes do esporte agradecem.


compartilhar no